sábado, 1 de março de 2014

Dicas de cinema: Robocop


Sabadão dia ótimo para ir ao cinema, então resolvi falar sobre Robocop que fui assistir semana passada. Confesso que não foi um dos melhores filmes que já vi, mas também não foi dos piores, ele me entreteve mas...
Robocop é um clássico das antigas, todo mundo já viu, ou pelo menos sabe do que se trata, ai resolvem fazer o ramake dele com a direção do Padilha, fiquei no mínimo curiosa.

Mas vamos falar do filme e minhas considerações, lembrando que gosto é gosto, então você que está lendo pode adooooorar o filme, ou não.
A história dele é sobre um policial ferido que perde inúmeros membros do corpo e provavelmente morrerá, então ele é transformado em um robô humano por uma empresa que quer lucrar, o filme se passa no futuro, nos EUA é claro, e o país está exportando robôs para fazer o trabalho de polícias em outros países, mas dentro do próprio continente os cidadãos não curtem a ideia porque robôs não tem sentimentos, não sabem se é certo ou não matar uma criança por exemplo, e é ai que entra o Robocop, meio robô meio humano.
E ai tem o desenrolar do filme, com pouca ação, drama familiar, aquela discussão sobre o que nos diferencia das máquinas é a consciência e a alma e blá blá blá, e também outras críticas sociais que tem a cara do Padilha mesmo.
Falando em Padilha, eu assistindo o filme fiz várias referências ao Tropa de Elite, do mesmo diretor, mas deve ser pira minha ahsuahushau por exemplo, no filme há policiais corruptos, a armadura do Robocop passa a ser preta, tem um apresentador de telejornal bem sensacionalista, o Robocop é pica, ele tenta ser retalhado por corruptos e por ai vai =p

No geral o filme é legalzinho, os efeitos são bons, não fiquei entediada mas também não morri de amores, quando saí do cinema com os amigos o comentário foi "ah, legal", e é isso. Não sou uma grande crítica de cinema, então quem curte o gênero acho que vale a pena ir ver.

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Quem escreve


Karina, 26 anos, cambeense, historiadora e intérprete de LIBRAS, viciada em internet, redes sociais, séries e joguinhos, estou aprendendo a ser mulherzinha depois de anos sem autoestima e vaidade, e criei esse espaço para falar um pouco sobre todas essas Karinisses!

Siga no Instagram

Snapchat

Snapchat

Seguidores

Arquivos do Blog

Pin It button on image hover